23 de jan de 2011

Lua Nova

Começa mais uma madrugada,
olho pro céu e vejo a Lua,
hoje estamos a sós,
e em vez de poesia,
o medo toma conta de mim,
olhando a Lua, hoje me sinto como ela,
sozinha, solitária e fria,
distante do mundo, das pessoas,
brilhando sem luz própria,
estou perdido, girando em círculos,
e assim como ela, vou me retirar,
virar Lua Nova, pra esperar uma estrela passar,
ou até a maré virar e meu coração se aquietar!

Leia também "Eclipse"


Emerson Reinert

Nenhum comentário: