26 de out de 2010

Carol Carolina


Andei por ai,
passei por lá e voltei pra cá.
Cada dia mais eu,
achando que sabia o que aconteceria,
mas quem diria,
que do nada você reapareceria,
Carol, Carolina,
carinha de anjo,
boneca de porcelana,
corpo de deusa,
me balança, me confunde, me encanta.
Ando querendo parar,
tá fácil, não difícil,
é só a agente se enteder e nos entregar.

Emerson Reinert

4 comentários:

Michelly disse...

Voltouu! e eu tb voltei a comentar aqui!
ficou lindo! como sempre adorei neh!
beeijo
saudade de vc!

Carla disse...

Belo poema de entrega. Amores possíveis sempre regressam.
Abraços.

http://precisomeexpressar.blogspot.com/

Patty disse...

Lindo poema!!! Amores e seus regressos, sei bem que é isso, qdo menos esperamos ele aparece querendo resgatar tudo ai se entregaaaa!!! ATITUDE!!!

Bjao

Talita disse...

Lindo!! Bom demais esse cantinho..

Boa noite pra ti!!
tatapalavrasaovento.blogspot.com