18 de jun de 2010

Armadura Nua

De tanto levar flechada do teu olhar,
De tanto me deixar levar,
Hoje vesti uma armadura,
Armadura leve e solta que quase flutua,
Hoje sou o malandro da rua.
O cara valente,
que não vale nada,
mas que no fim sempre te deixa....
completamente nua!








Emerson Reinert

5 comentários:

Marília Rezende disse...

Que nossas armaduras nos tragam a paz que os nossos corações procuram! ;D Brigada pelo apoio! Beijo!

Su disse...

A imagem do texto deu um charme a parte!...=p


Bommmmm texto!=)(falar por aqui tb né?!)

Beijoos!

Priscila Rôde disse...

As amarduras pouco nos servem..
quando mais precisamos, é quando tiramos pra sentir melhor, sem pudor.


Beijos.

duda disse...

tristes malandros

Raquel de Carvalho disse...

hummmmmmmm
Malandrãoooo hein!!!! ehehehe
Adorei, primooo!
Beijos